5 de dezembro de 2013

Autor do mês: C. S. Lewis (1898-1963)

    Olá, leitores! Como havia avisado os dois autores do mês foram escolhidos através de enquete e o autor ganhador com 35% dos votos foi o C. S. Lewis. Sim! O autor de As Crônicas de Nárnia, uma de suas obras mais famosas.
    Primeiramente apresentarei sua biografia e em seguida algumas frases e curiosidades sobre o autor e suas obras.


Um pouco de sua vida...

Clive Staples Lewis nasceu em novembro de 1898, na Irlanda. Ele tinha dez anos quando perdeu a mãe e passou por momentos complicados em internatos até ir morar com um professor particular, que foi o principal responsável por sua formação como escritor.
    Em 1936, se uniu a um grupo de escritores conhecido como Inklings, que incluía, entre outros, J.R.R. Tolkien. Além de "Crônicas", Lewis escreveu mais de 40 livros e era professor de Literatura Medieval e Renascentista em Oxford.
    Lewis morreu em 1963, no mesmo dia em que John Kennedy foi assassinado, o que fez com que sua morte fosse pouco divulgada. Vários autores atuais já declararam que foram fortemente influenciados por seu trabalho, como J.K. Rowling ("Harry Potter"), Daniel Handler ("Desventuras em Série") e Eoin Colfer ("Artemis Fowl").



A criação de Nárnia e o paralelo com o cristianismo...


    O paralelo com o cristianismo na obra de Lewis fica mais visível com a leitura das obras na ordem cronológica dos acontecimentos. "O Sobrinho" traz Digory Kirke (o professor que cuida dos irmãos em "O Leão...") e uma amiga, Polly, indo parar em outros mundos graças a anéis mágicos criados por tio André. Sem querer, eles acabam por libertar a Feiticeira Branca e vão parar em um universo vazio pelo qual Aslam passeava.
    O leão Aslam, criador supremo de Nárnia, é também quem dá ao pequeno Digory uma maçã com a qual poderá salvar sua mãe de uma doença (e é da árvore nascida da semente dessa fruta que vem a madeira com a qual foi construído o guarda-roupa que Lúcia descobriu em "O Leão...").
    Em "O Cavalo e Seu Menino", dois cavalos falantes e seus respectivos donos descobrem que o povo calormano tem um plano para conquistar Nárnia e tentam a todo custo avisar os habitantes antes que toda a liberdade do lugar seja ameaçada. É esse contexto que antecede a trama de "Príncipe Caspian", que por sua vez é seguida de "A Viagem...", em que apenas Lúcia, Edmundo e o primo Eustáquio voltam à Nárnia e precisam novamente ajudar Caspian a procurar os sete fidalgos que foram até a borda do mundo.
Em "A Cadeira...", Eustáquio e uma amiguinha de escola, Jill, vão para Nárnia. Eles devem procurar o desaparecido Rilian, filho de Caspian. Nessa trama, Aslam dá diversas missões a Jill, mas ela não dá conta delas. A trama se encerra com "A Última...", que mostra uma brincadeira de fortes conseqüências quando um macaco encontra a pele de um leão e a veste em um burro, que se faz passar por Aslam.
    Fãs e estudiosos associam os livros da saga de Nárnia à Bíblia, por usarem alegorias que remetem ao poder da fé, às profecias, ao sacrifício, ao bem e ao mal. A temática cristã realmente é forte nos livros da série, mas não é a única influência do autor, que também usou outros clássicos infantis, além de mitologia grega, romana e nórdica na trama.


Obras

Não ficcionais:



  • The Allegory of Love: A Study in Medieval Tradition (1936) (reeditado em português como Alegoria do Amor: Um estudo da tradição medieval, E Realizações, 2012)
  • Rehabilitations and other essays (1939) — com dois ensaios não incluídos, Essay Collection (2000)
  • The Personal Heresy: A Controversy (com E. M. W. Tillyard, 1939)
  • The Problem of Pain (1940) (reeditado em português como O problema do sofrimento, Vida, 2006)
  • A Preface to Paradise Lost (1942)
  • The Abolition of Man (1943) (reeditado em português pela Martins Fontes como A Abolição do Homem)
  • Beyond Personality (1944)
  • Miracles: A Preliminary Study (1947, revisado em 1960) (reeditado em português como Milagres, Vida, 2006)
  • Arthurian Torso (1948; sobre a poesia de Charles Willliams)
  • Mere Christianity (1952; baseado em palestras por rádio de 1941-1944) (publicado em português como Mero Cristianismo, e recentemente reeditado pela Martins Fontes como Cristianismo Puro e Simples)
  • English Literature in the Sixteenth Century Excluding Drama (1954)
  • Surprised by Joy: The Shape of My Early Life (1955; autobiografia) (publicado em português pela Editora Vida como Surpreendido pela Alegria)
  • Reflections on the Psalms (1958)
  • The Four Loves (1960) (reeditado em português pela Martins Fontes como Os Quatro Amores)
  • Studies in Words (1960)
  • An Experiment in Criticism (1961)
  • A Grief Observed (1961; publicado inicialmente sob o pseudônimo de N. W. Clerk) (em português como A anatomia de uma dor, Vida, 2006)
  • The Discarded Image: An Introduction to Medieval and Renaissance Literature (1964)
  • God in the Dock: Essays on Theology and Ethics (1970), ou Undeceptions (1971) — todos incluídos em Essay Collection (2000)
  • Studies in Medieval and Renaissance Literature (1966) — não incluído em Essay Collection (2000)
  • Spenser's Images of Life (ed. Alastair Fowler, 1967)
  • Letters to an American Lady (1967)(publicação inédita em português como Cartas a uma senhora americana, Vida, 2006)
  • Selected Literary Essays (1969) — não incluído em Essay Collection (2000)
  • Letters to Malcolm: Chiefly on Prayer (1972)
  • Of Other Worlds (1982; ensaios) — com apenas um ensaio não incluído em Essay Collection
  • All My Road Before Me: The Diary of C. S. Lewis 1922-27 (1993)
  • Essay Collection: Literature, Philosophy and Short Stories (2000)
  • Essay Collection: Faith, Christianity and the Church (2000)
  • Collected Letters, Vol. I: Family Letters 1905-1931 (2000)
  • Collected Letters, Vol. II: Books, Broadcasts and War 1931-1949 (2004)

FICCIONAIS:

  • The Pilgrim's Regress (1933) (O Regresso do Peregrino)
  • As Crônicas de Nárnia (toda a série foi publicada em português)
    • The Magician's Nephew - O Sobrinho do Mago (Também chamado de Os Anéis Mágicos)
    • The Lion, the Witch and the Wardrobe (1950) - O Leão, A Feiticeira e o Guarda-Roupa
    • Prince Caspian (1951) - Príncipe Caspian
    • The Voyage of the Dawn Treader (1952) - A Viagem do Peregrino da Alvorada (Também chamado de O Navio da Alvorada)
    • The Silver Chair (1953) - (A Cadeira de Prata)
    • The Horse and His Boy (1954) - O Cavalo e seu Menino (Também chamado de O Cavalo e o Menino)
    • The Last Battle (1956) - A Última Batalha
  • Trilogia Espacial
    • Out of the Silent Planet (1938) (publicado em português como Longe do Planeta Silencioso ou Além do Planeta Silencioso)
    • Perelandra (1943) (publicado em português como Perelandra)
    • That Hideous Strength (1945) (publicado em português como Aquela Força Medonha)
  • The Screwtape Letters (1942) (publicado em português como Cartas do inferno ou As Cartas do Coisa-Ruim, e recentemente reeditado pela Martins Fontes como Cartas de um diabo ao seu aprendiz)
  • The Great Divorce (1945) (reeditado em português como O grande abismo, Vida, 2006)
  • Till We Have Faces (1956)
  • Letters to Malcolm: Chiefly on Prayer (1963)
  • The Dark Tower and other stories (1977)
  • Boxen: The Imaginary World of the Young C. S. Lewis (ed. Walter Hooper, 1985)

POESIAS:

  • Spirits in Bondage (1919; publicado sob o pseudônimo de Clive Hamilton)
  • Dymer (1926; publicado sob o pseudônimo de Clive Hamilton)
  • Narrative Poems (ed. Walter Hooper, 1969; inclui Dymer)
  • The Collected Poems of C. S. Lewis (ed. Walter Hooper, 1994; inclui Spirits in Bondage)

ALGUMAS FRASES DO C. S. LEWIS

"Cada vez que você faz uma opção está transformando sua essência em alguma coisa um pouco diferente do que era antes". 
"Quando se trata de conhecer a Deus, toda a iniciativa depende dEle. Se Ele não se quiser revelar, nada do que façamos nos permitirá encontrá-lo". 
"[Eu] Pensava que nós seguíamos caminhos já feitos, mas parece que não os há. O nosso ir faz o caminho".

10 CURIOSIDADES SOBRE O AUTOR


> Lewis tinha uma gargalhada alta e um amplo círculo de amigos. Ele era um homem saudável com um grande senso de humor.

Ele ensinou Inglês e Literatura no Magdalen College, Oxford , e alguns dos melhores livros de Lewis são livros de crítica literária.

> A mais antiga ambição de Lewis era ser contado entre os grandes poetas , e fez grande esforço para escrever e reescrever seus poemas , alguns até mesmo depois que foram publicados.

> A maioria do que Lewis escreveu foi em resposta a pedido, sugestão ou incentivo de alguém.

Lewis descreveu a si mesmo como um " dinossauro ". Ele foi treinado na filosofia antiga e fez sua carreira em estudos medievais e renascentistas . Viu pensamento clássico como superior em todos os aspectos para o pensamento moderno , e aproveitou todas as oportunidades para mostrar que isso era verdade.


> Durante a segunda guerra, quatro crianças se hospedaram na casa de Lewis, a “Kilns”.

> Lewis pensou em vários outros títulos para “A Cadeira de Prata”: “As Terras Desoladas e Selvagens”, “Noite Abaixo de Nárnia”, “Gnomos Sob Nárnia” e “Novidades Abaixo de Nárnia”. 

> J.R.R. Tolkien, amigo de Lewis e escritor de “O Senhor dos Anéis”, criticou tanto “O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa” que Lewis quase não o terminou. 

> A imagem de um fauno carregando pacotes e um guarda-chuva em uma floresta coberta de neve veio para Lewis quando ele tinha 16 anos. 

> C.S. Lewis morreu no mesmo dia que o presidente norte-americano John Fitzgerald Kennedy.


10 CURIOSIDADES SOBRE NÁRNIA



> Nárnia tem dois filmes live-action, um especial produzido em 1976 pela rede ABC, uma minissérie da BBC da década de 1980 e uma animação da mesma época. 

> Pela cronologia de eventos narrados nas obras, que datam de 1950, a ordem das tramas seria um pouco diferente. A história começaria com "O Sobrinho do Mago", seguida por "O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa", "O Cavalo e Seu Menino", "O Príncipe Caspian", "A Viagem do Peregrino da Alvorada", "A Cadeira de Prata" e "A Última Batalha". 

> Consta que não fazia parte das pretensões de Lewis escrever mais de um livro e, por conta disso, conforme a série foi conquistando um lugar no coração (e na estante) das crianças, a história, que primeiramente seria só a de "O Leão...", foi ganhando desdobramentos.

> Em Nárnia, o tempo passa de forma diferente do que na Terra. Assim, um ano se passou entre o primeiro e o segundo livro para os garotos, mas, em Nárnia já se passou um milênio desde a primeira visita das crianças.

> Os nomes originais (os primeiros, depois Lewis mudou) das quatro crianças eram Ann, Martin, Rose e Peter.

> “Aslam” é a palavra turca para designar “leão”.

> Em Quênia, língua criada por Tolkin (O Senhor dos Anéis), amigo de C. S. Lewis, “Narn-îa”, significa algo como “profundeza dos contos”.

Lúcia passou mais tempo em Nárnia que qualquer outra criança de nosso mundo, cerca de quatro horas a mais que Edmundo. 

> O primeiro esboço de “O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa” não faz menção a Aslam.

O nome “Jadis” significa “feiticeira” na língua persa.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...