15 de dezembro de 2013

Livros juvenis lideram crescimento nas vendas de 2013.

    Olá, galera! Estava passeando pela internet quando vi uma reportagem muito interessante na Folha de S.Paulo falando sobre a venda de livros juvenis e tals. Resolvi transcrevê-la para o blog, para que vocês possam me dar suas opiniões sobre essas divisões literárias criadas para classificar o público-alvo de cada livro lançado.

14/12/2013 - 03h06

Segmento juvenil lidera crescimento nas vendas de livros em 2013

DA COLUNISTA DA FOLHA

O segmento juvenil foi o que mais cresceu em vendas nas livrarias em 2013, segundo dados da empresa de pesquisa GfK. Em relação a 2012, passou de 7,4% para 8,4% do total de exemplares vendidos, um aumento de 24%.
O único segmento maior que o juvenil é o de literatura estrangeira, com 21% das vendas. Mas esse número é inflado pelos juvenis, já que livros lançados lá fora como "young adult" saem aqui como ficção estrangeira, caso de "A Culpa é das Estrelas" (Intrínseca), de John Green.
Embora as editoras invistam cada vez mais nesse mercado, não há uma fórmula de sucesso. Levantamento da empresa de pesquisa Nielsen mostra que 80% das vendas dos juvenis estão nas mãos de cinco das centenas de casas publicadoras do país.

Leonardo Soares/Folhapress
A americana Jamie McGuire, do 'new adult' 'Belo Desastre
A americana Jamie McGuire, do 'new adult' 'Belo Desastre'

São elas Intrínseca ("Os Heróis do Olimpo", de Rick Riordan), V&R ("Diário de um Banana", de Jeff Kinney), Rocco ("Jogos Vorazes", de Suzane Collins), Galera Record ("Cidade dos Ossos", de Cassanda Clare) e Gutenberg ("Fazendo Meu Filme", de Paula Pimenta, raro nacional num cenário de estrangeiros).
Se na década passada o mercado editorial viveu uma multiplicação dos selos infantis, esta é a dos selos juvenis. Ou, mais do que isso, a de uma reorganização no que se entende por selo juvenil.
Há um ano, a Companhia das Letras extinguiu seu selo infantojuvenil Cia das Letras e estreou o Seguinte, para público um pouco mais velho. "Concentramos no Seguinte livros com temas mais adultos. Outros, para leitores de 12, 13 anos, migramos para o Companhia das Letrinhas", diz a editora Julia Schwarcz.
A criação do Seguinte marcou uma guinada comercial do segmento na editora, antes mais focado em livros para escolas. O maior sucesso é "A Seleção" de Kiera Cass.
Na Record, onde o juvenil garante 30% do faturamento total, o selo Galera acaba de passar por uma subdivisão.

Divulgação
John Green, autor do 'young adult' 'A Culpa é dos Estrelas
John Green, autor do 'young adult' 'A Culpa é das Estrelas'

Antes dividido em Galerinha (crianças) e Galera (adolescentes) agora tem o intermediário Galera Junior, para público de 10 a 14 anos, de séries como "Artemis Fowl", de Eoin Colfer. Com isso, o Galera passa a visar jovens com 15 anos ou mais. "Não é tão rígido, mas ajuda a orientar os pais", diz a editora Ana Lima.
Já a Rocco, que tem o selo Jovens Leitores desde 2000, prevê para 2014 seu selo de "new adult" (18 a 25 anos).
Curiosamente, embora sejam vendidos como juvenis, nem todos os autores de "new adult" gostam de se ver associados a esse público.
"Leitores jovens não são o alvo dos meus livros. Menos de 1% dos meus leitores têm de 13 a 15 anos. O resto tem 16 ou mais", diz Jamie McGuire, autora da série "Belo Desastre". (RAQUEL COZER)

Lydia Megumi/Editoria de Arte/Folhapress
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...